"PORQUE NARCISO ACHA FEIO O QUE NÃO É ESPELHO" (Caetano Veloso).

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

ABISSAL


[Imagem: Viajante sobre Mar de Nevoeiro - Caspar David Friedrich
Vídeo: Van Diemen's Land - U2]

Vou me jogar daquela ponte
E sem demora.
A ponte, precipitando-se, tenta coser;
Liga-me dos pés à cabeça
De modo que, ao me olharem de repente,
Nem percebam
Que sou um abismo.


Precipito-me para o alto e volto.
Gravito meus arcos, esteios, vigas.
Lastros que se vão alastrando
Abaixo do céu,
Acima da terra,
Além da consistência imutável.
Vou me jogar daquela ponte,
Dragar-me e desaparecer
Dentro de mim
Que sou um abismo.


Entre um barranco e outro,
Lá estou, pesado, mas flutuando.
Desexistindo, contudo, presente e fundo.
Somente a ponte me dá dimensões,
Dimensões de inexistir.
Vou me atirar daquela ponte
E sem demora.
Vou ser abismo completo
Sem fronteiras,
Impossível de ser atravessado.

[Dos: POEMAS RECÉM-NASCIDOS]



Um comentário:

Neuzza Pinhero disse...

Agnaldo, meu querido

é mesmo ofìcio do Poeta
atirar-se de uma ponte
a cada segundo
colher abismos
nas palavras mais fundas

vc me deixa mais forte
quando passa pelo meu Spirituals