"PORQUE NARCISO ACHA FEIO O QUE NÃO É ESPELHO" (Caetano Veloso).

terça-feira, 20 de julho de 2010

POEMAS RECÉM-NASCIDOS


CATECISMO DE FIO E CORTE

Entender a língua das navalhas
Pela lâmina.
O idioma dos punhais,
O vocabulário secreto dos garrotes,
Pelo uso
Ou pela simples interpretação de sua presença
Em versos agudos.

Apreender de um espinho
A carícia pontuda.
O desejo dele.
Falo, falo por completo, de corpo inteiro,
Fazendo prazer em toda carne
Em toda parte.
Gozando ponta para dentro
Fundo. Até o pé.
Feito uma rima boa
Ou uma idéia iluminada.

Esmiuçar o mistério das farpas
Com as unhas.
O irrevelável dos cacos de vidro
E dos pregos oxidados.
Sabê-los com a alma
Ou com os calcanhares,
Se todo o resto não bastar.
Descobrir a letra que falta
Antes da hora,
Antes que seja tarde.

Deslindar da pólvora o perfume
Do fogo esgotado.
Do fogo apenas
Ou da ausência do fogo.
Cheirá-la depois de morta,
Domesticá-la, desmistificá-la.
Cantar para que vire pó
Pólvora cremada.
Lançar-lhe as cinzas ao mar
Enquanto a declama.

Captar o derradeiro suspiro
Do poema,
Seu passamento antecipado.
Sua matéria inevitavelmente esfriando
Sob a pele das palavras.
E, já apodrecendo, suas unhas
Cabelos e métrica.
Ouvir-lhe a leitura do testamento
Com lágrimas nos olhos.
E secretamente,
Muito secretamente desejar
Ser-lhe o único herdeiro.

Reter no peito o angustiante sentimento da poesia
Nem que para isso seja necessária
Uma faca
Metida até o cabo.


Um comentário:

Neuzza Pinhero disse...

salve, poeta!

bem vindo ao Spirituals!
Poema pungente, esse teu poema
A gente sente a lâmina
das palavras

um brinde ao seu retorno!