"PORQUE NARCISO ACHA FEIO O QUE NÃO É ESPELHO" (Caetano Veloso).

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

POEMAS (QUASE) RECÉM-NASCIDOS


DEPILAÇÃO ESSENCIAL


Triste
Feito um oceano lacerado
Um oceano velho e lacerado

Quis aparar
Os pulsos
Os cabelos
Os pelos de todas as emoções
Torná-las planas.

Acordei
Com desejo de estar nu
Raspei-me

Friccionei contra lixas de sobrevivência
O meu espírito
Lavei-o com lâminas de sal

Agora estou

Algo mais leve
Tanto mais breve
Deveras sujo áspero delével

Como um oceano lacerado
Sem peixes ou algas
Sem fundo


Mas liso

12 comentários:

Papoula bisbilhotando tudooooo disse...

uauuuuuuuuuuuuu muitooooo inspirado, adoreiiiii e depois te conto um causo sobre DEPILAÇÃO MASCULINA rs,sr,sr,sr,sr,rs,rs,beijinsssssss

Lara Amaral disse...

A sensação de raspar deu-me coceira, às vezes é preciso arrancar muito do que está dentro, e por não ser possível, faz-se por fora.

Seus poemas são assim, acomete-nos.

Beijo.

AGNALDO NO ESPELHO disse...

Papoula,

Nem ouso pedir detalhes à respeito. rsrsrsrs.

Tenho certeza de que devem ser divertidíssimos (pelo menos para quem não passou pelo evento, rsrssrsr).

Super beijo.

AGNALDO NO ESPELHO disse...

Lara,

Friccionar é a ordem! Esfoliar o espírito, coçar.

Tirar a pele desnecessária. Arder, sentir-se vivo.

Super beijo.

Lulu disse...

Oi,Agnaldo,

Eu trabalho em um CAPS, Centro de Atenção Psicossocial, com pessoas portadoras de transtorno mental grave e persistente. A loucura sempre me fascinou no ponto em que me identifico muito com os esquizofrênicos (ditos loucos), pois costumo dizer que vagamos pelas mesmas plagas (no inconsciente). A única diferença é que essa irrupção do inconsciente eu consigo administrar e transformar em poesia (dizem que o poeta é o esquizofrênico que deu certo - rsrsrsrsrs), enquanto eles ficam totalmente perdidos. É como se eu um esquizofrênico fôssemos jogados em uma piscina, eu saísse nadando e ele se debatesse até se afogar.
Mas por que estou lhe dizendo isso? Primeiro, porque você também é poeta. Depois, porque li em uma revista um artigo que mostra as semelhanças entre as pessoas criativas e os esquizofrênicos. Em ambos a presença dos receptores D2 (receptores de dopamina) no cérebro é mais escasso do que em pessoas menos ou pouco criativas. A menor quantidade de receptores D2 diminui a fluxo de informações no tálamo, região cerebral onde há mais concentração de dopamina. Essa área é uma espécie de estação de retransmissão que recebe os estímulos sensoriais, os combina, filtra e processa, antes de enviá-los para as áreas cognitivas ou motoras. Aí é que está a semelhança: o córtex dos muitos criativos e o dos esquizofrênicos recebem um fluxo maior de impulsos, o que é responsável pelo traço de genialidade que muitas dessas pessoas apresentam (Artur Bispo do Rosário, Van Gogh etc).
Interessante, não é?
Vou colcoar abaixo (senão o texto fica longo demais e pode ser que não entre) uma poesia onde abordo isso.
Beijos.

Lulu disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lulu disse...

Aí vai:

DO POETA

O que me inquieta mergulha em mim
e desce aos abismos do meu ser
ou não-ser

devassando-me o indizível.

Vejo-me na morada da dor e
tudo se faz paixão. Impossível
não enlouquecer. Todas as dores
em mim se contorcem e se amotinam
e de seu sofrer me faço voz e forma.

Navegando na nau dos insensatos
adentro os portais do amor
e amante acolho em mim o incognoscível
onde não tenho princípio nem terei fim

Apenas sou.

Ungida da beleza
toco as face de Deus
e nesse mundo numinoso sou
criatura e criador. Impossível
não irradiar a minha divindade.

O que me inquieta emerge em mim
extrapolando a razão.

Do incognoscível brinco palavras
e me dizem poeta
e o indizível transfigura-se em poesia.

Lulu/2007

Zel Bengalinha Paulistana disse...

Olá Agnaldo,

Sua casa é magnífica e você recebe muito bem! Tem muito carinho!!!!!!

Seus poemas são coloridos e especialmente o de hoje me traz imagens e sensações fortíssimas.
É denso, dolorido, ardido... e triste.

Cá pra mim, viver é ser chacoalhado, constantemente, por emoções de todos os tipos e intensidades.

Estar "liso", com "emoções planas" deve ser horrível, tudo escorrega, nada se prende...

Adorei ter lhe visitado!
Virei aqui sempre.

Beijo
Zel

AGNALDO NO ESPELHO disse...

Lulu,

Me sinto honrado e um tantinho soberbo de ter o privilégio de receber versos tão doces e doloridos. Versos verdadeiramente vivos, generais, sentimentos à frente da batalha como que querendo ser alvejados.

Essa imersão na dor, aceitação de que paixão também é um de seus nomes é belíssima. E o jeito com que você aproxima o humano do divino e o contrário faz com que sua poesia simultaneamente tenha carne e seja deidade.

Lindos versos.

Assim como é linda sua compreensão de nossa quase esquizofrenia. Ou, quem sabe, de nossa esquizofrenia que deu certo. rsrsrsrs.

Deve ser um trabalho muito bacana o que você faz. E essas pessoas, que sofrem por não conseguir "nadar tranquilamente nas piscinas" da consciència têm o privilégio de terem por perto uma alma tão iluminada.

Super beijo.

AGNALDO NO ESPELHO disse...

Zel,

Em primeiro lugar, a casa está sempre limpa, arejada e cheirosa para receber visitas. É sempre um prazer abrir o espelho para que outras pessoas olhem.

Você é super bem-vinda e pode passear pelos quartos, varandas, pelo quintal, porque é assim que se vai conhecendo e construindo intimidade.

Viver é realmente ser chacoalhado. Se não for assim perde a graça. Às vezes, estar plano também significa estar pleno; e estar liso pode ser tornar um refúgio, um meio de permanecer vivo, tem manter acesas, incandescentes, as emoções.

Volte sempre.

Venha tomar um chá de hibisco comigo.

Super beijo.

Neuzza Pinhero disse...

tenho vindo, vou lendo os poemas acumulados durante esse tempo afastada da internet
e me dói o seu oceano lacerado, Agnaldo

grande beijo!

AGNALDO NO ESPELHO disse...

Neuzza querida,

Que delícia! Sinto que a casa fica mais bonita quando você vem. E que bom que você esteja visitando postagens antigas.

Venha sim. Tem coisas que fiz enquanto você esteve em silêncio e gostaria de sua opinião sobre elas, sempre rica.

Super beijo.