"PORQUE NARCISO ACHA FEIO O QUE NÃO É ESPELHO" (Caetano Veloso).

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

RESPIRAÇÃO FORÇADA


[Imagem: Sisyphus - Ticiano]


Por absoluta falta
Que escrevo
Escravo
Maxilares deslocados

Para o esvaziamento completo
Para a escassez essencial
Por latente ausência de coragem
Que escondo nas letras
Meus temores e defeitos

São pássaros de pedra
Os meus versos
Atiro-os da janela
Na esperança de que voem
Se estilhaçam

Por absoluta necessidade
Que canto
Numa das mãos a pauta
Na outra a falta
O desencanto

Que a dormência não me sirva de desculpa
E a sanidade não escore
Nessas palavras

Porque escrevo para não sucumbir
Não ser tragado pela loucura

Escrevo
Minha traqueotomia

Meio que encontrei
Para respirar

[Dos: POEMAS DO ESTOQUE]

4 comentários:

Eliane Furtado disse...

Como gostei deste verso:
"porque escrevo para não sucumbir
Não ser dragado pela loucura."
Nem a minha nem a dos outros.
Ótimo finde Poeta.

Neuzza Pinhero disse...

atingiu no peito, Agnaldo, essa pedra pesada e certeira.
Saiba que, onde vc estiver, afiando as lâminas da palavra,
estamos aqui, adagas atentas na tentativa de afastar, dragar essa ou aquela dor mais aguda. Uau, ninguém manda vosmicê atingir ~
nosotros en el corazón!
abraço e bfs

AGNALDO NO ESPELHO disse...

Eliane,

A loucuras andam armadas e perigosas, espreitando nas frestas e na vida. Há de haver algum remédio para enfrentá-las. Tanto as nossas quanto as alheias.

Ótimo fim de semana para você também.

Super beijo.

AGNALDO NO ESPELHO disse...

Neuzza querida,

Adagas que fortalecem meu frágil exército. Conto tanto com elas quanto com as palavras que marcham alquebradas por meus versos.

Como su corazón, mi corazón desfila sob as salvas incontroláveis dos canhões de nossos questionamentos poéticos. E vamos marcando o passo, juntos, na tentativa de sobreviver, de atravessar o campo sem muitas mutilações.

Super beijo.