"PORQUE NARCISO ACHA FEIO O QUE NÃO É ESPELHO" (Caetano Veloso).

sábado, 27 de novembro de 2010

A INVASÃO DAS ESTEPES


[Imagem: Atlas holding up the celestial globe - Guercino
Vídeo:  My immortal - Evanescence] 

Sentimentos desterrados me margeiam,
Pedem asilo e denunciam o fim da marcha.
Vão, de certo, invadir-me o campo de trigo,
Acampar em meus arrozais floridos,
Vão fazer asseiro nos limites do piquete
E lançar fogo no chão onde brotava a perfeição.

Sentimentos aflitos em procissão,
Descem por ruas esburacadas carregando lamparinas.
Rezam, mas se rezam nada dizem,
Porque os ouço clamarem no mais absurdo silêncio.

Sentimentos famintos e necessitados, em andrajos,
Assomam à minha porta e batem.
Quando os vejo pelas frinchas, por entre tábuas,
De tão magros e frágeis que me parecem,
Tenho a impressão de que seriam capazes de se esgueirar
Por qualquer pequeníssima abertura.

Sentimentos exilados por serem feios ou fortes,
Sentimentos expulsos por seu peso ou suas marcas,
Em bandos, celebrando acordos para o motim,
Achegam-se uns dos outros e dão-se as mãos.
Repicam no assoalho seus incontáveis calcanhares
Fazendo ecoar dentro de mim a orquestra de tambores.
Anunciam formalmente para o que vieram.

Sentimentos renegados, dados à adoção,
Abandonados em cestos de vime, sob portais alheios.
Sentimentos órfãos; pensava que pudessem ter sido levados
Para o trabalho escravo num outro país.
Voltam agora, macérrimos, porém crescidos,
Armam suas tendas, hasteiam suas flâmulas rotas,
E para me manterem constantemente desperto
Gritam em coro: pai, pai, pai, pai, pai.

[Jamais voltarei a dormir].

[Dos: POEMAS RECÉM-NASCIDOS]

12 comentários:

Zélia Guardiano disse...

Ah, Agnaldo , os sentimentos...
Os sentimentos!
Desterrados, aflitos, em procissão...
Famintos, necessitados, em andrajos...
Exilados, renegados, dados à adoção...
O lamento: pai, pai, pai...
Que poema magnífico você criou, meu amigo!
Levou-me às lágrimas...
Você é poeta de verdade!!!
Forte abraço, querido!

Eliane Furtado disse...

Como disse a amiga Zelia, ah sentimentos...
Como nos confundem, como expressam nossa emoção.
Poeta estarei fora uns dias. Mas voltarei. Claro que voltarei.
Boa semana.

Lara Amaral disse...

Os renegados sempre retornam às entranhas, e com rebeldia renovada.
Excelente, meu amigo!

Grande beijo.

Neuzza Pinhero disse...

querido Agnaldo

saudade muita
às vezes penso em debandar. Mas as palavras me chamam, me dão colo ombro.
Palavras pai e mãe.
Ainda assim, somos órfãos.
Seus versos uivam essa orfandade

universal.

beijos admirados

Vera do sulllll disse...

Boa tarde Agnaldo!
O sentimentos colorem as nossas emoções,às vezes de vermelho, roxo, peto. Outras de azul-céu, rosa- bebê, verde -esperança. Hoje estou mais para laranja-fogo... rsrsrsr.
Beijos do sul meio asssim meio assim, chato, sol,nublado...

Lindo poema, poeta ponteiro das palavras perfeitas ....mais poemas...

Janaina Cruz disse...

Queimando os, afogando os, esquartejando os e mesmo assim continuam voltando, nossos sentimentos ruins...
Encantei-me com teu blog, virei sempre por essas bandas de cá.

AGNALDO NO ESPELHO disse...

Zélia querida,

Lágrimas, espero, de boas emoções; de pungência sim, mas pungência de quem está repleto de sentimentos e não consegue dar vazão senão pelos olhos.

Quando consigo despertar, com palavras emendadas, emoções tão intensas me sinto realizado, pleno e mais inteiro como gente da espécie que escreve. (Essa espécie ousada, que não tem pudor na tentativa de deslindar interiores).

Suas palavras são, no melhor sentido, o salário do poeta.

Super beijo.

AGNALDO NO ESPELHO disse...

Eliane, Elianinha...

Vá tranquila. As terras pernambucanas te receberão de braços e coração abertos, com tapete vermelho e sorriso nos lábios, fazendo jus ao que você merece.

Mas, olha, não esqueça de voltar... Como diz a música: "não vá se perder por aí".

Super beijo.

AGNALDO NO ESPELHO disse...

Lara,

Você sempre concisa e sempre precisa. Voltam mesmo, mais rebeldes do que nunca, mais intensos do que sempre, mais ferozes, porém legítimos.

Super beijo.

AGNALDO NO ESPELHO disse...

Neuzza querida,

Não debande... "Dê bandas". Dê umas "bandas" para outros hemisférios interiores, aqueles onde tudo parece mais manso e quieto. Depois que as águas baixarem você volta ao refúgio original e retoma as rédeas...

Quanto às palavras, o colo que te dão é mera retribuição ao zelo que você tem para com elas. São filhas gratas, que sempre voltam ao seio da mãe.

Sinto saudades mesmo, de verdade. E fico te assistindo em silêncio, esperando que volte a falar.

Super beijo.

AGNALDO NO ESPELHO disse...

Vera (do nosso Sul),

Esses "bichos" coloridos carregam, realmente, todas as bandeiras possíveis.

Laranja-fogo é uma belíssima cor. Aliás, tudo o que tem o fogo como empréstimo se presta à intensidade e à beleza.

Você está bem vestida, não tenho dúvida.

Super beijo.

AGNALDO NO ESPELHO disse...

Janaína,

Bem-vinda!!!

Gosto de receber visitas; mas gosto, sobremaneira, de receber visitas que não sejam tímidas, que gostem de "prosear", que boforem sobre o ESPELHO e deixem nela suas impressões.

A casa está sempre aberta - assim como o coração - para receber visitas. Tem lavanda nas janelas e chá de hibisco sempre quente. De resto é a vontade, a vontade sempre constante de conhecer, de descobrir e de interagir com almas que se deixam tocar pela poesia.

Novamente, bem-vinda!

Volte o quanto quiser.

Super beijo.