"PORQUE NARCISO ACHA FEIO O QUE NÃO É ESPELHO" (Caetano Veloso).

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

POEMAS (QUASE) RECÉM-NASCIDOS


DIÁLOGO COM PILATOS

Lava tuas mãos
Nas minhas lágrimas.

Água sagrada
Sobre a matriz do espanto.
Lava condensada,
Espessa e viva.
Orgasmo de meus olhos.

Viva tuas culpas
Nas minhas mágoas.

Guizos interiores
Postos em perspectiva.
Barulho eternamente aceso,
Flecha constante
Em direção ao alvo.
Uma oração não basta
Para silenciá-los.

Flecha tuas escusas
Nas minhas palavras.

Sentenças intermináveis
Lidas em coro.
Perdão que se roga
Com as rótulas,
Súplica para ser cantada
Isenta de qualquer prurido.

Isenta tua paz
Nas minhas batalhas.

Poço onde a coragem
Foi beber.

Sou-lhe a capa da espada
Invólucro de todas as tuas armas,
Tua intenção de trair,
Teu atalho.

Sou como sou
- Inda que falho –

Não me acovardo
De viver.

5 comentários:

Lara Amaral disse...

Uma ode a esses que dão a outra face para um segundo tapa; os tapas de luva de pelica são sempre mais violentos.

Beijo.

Eliane Furtado disse...

Que lindo este poema. "Não me acovardo de viver." E aquela então...
"sou a capa da espada..."
Bom dia sensível Agnaldo. a partir de amanhã -durante uns dias - virei menos por aqui. Mas virei. Sem hora e com poucas palavras. Farei tudo apra voltar logo.
E levarei este poema comigo. E aquele de 2009.
Hoje, atendendo sua sugestão, me despeço de agosto cheia de implicâncias ksksskksks.
um beijo

AGNALDO NO ESPELHO disse...

Lara,

De fato, tem coisas bem mais violentas que um tapa. A covardia, o abandono, são espécies de bofetões que atingem partes mais etéreas.

Ótimo dia.

Super beijo.

AGNALDO NO ESPELHO disse...

Eliane querida,

Façamos o seguinte:

Todos os dias vou encher minha casa de vasinhos de lavanda para ficar te esperando. Quando você puder e vier, a casa estará perfumada, pronta para te receber.

E enquanto não vem, ao sentir o cheiro de lavanda me lembrarei de você e estaremos, de certa maneira, próximos.

Setembro chegando, a primavera o cavalva... Vem por aí. Lindos dias virão, como foram os anteriores e serão todos os demais.

Super beijo.

Eliane Furtado disse...

Que lindo Agnaldo. Adoro lavanda. No meu síitio tem um pequeno corredor na terra. Acertou de novo.
Minha ausência é devido apenas a alguns tratamentos que me tirarão do ar. Mas volto. Volto sempre. Já sinto o perfume daqui.
Um beijo