"PORQUE NARCISO ACHA FEIO O QUE NÃO É ESPELHO" (Caetano Veloso).

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

POEMAS RECÉM-NASCIDOS


OS AFAZERES DO DIA

De tarde
Sentar-me a beira poço.
Tirar água
Com os olhos
E dar de beber
Aos sonhos.
Não deixar que faltem migas
Em seu cocho.

De noite
Dar-me com um penhasco.
Besuntar unguento
Em sua garganta
E acalentá-lo
Contra o peito.
Não descuidar de sua tosse
Nem dos ecos que provoca.

De madrugada
Sucumbir contra um cinzel.
Deixar que lapide
Entrelinhas
E afaste as camadas
Que impedem a alma de brilhar.
Cuidar para que os baques
Não acordem a vizinhança.

De manhã
Ascender redemoinhos.
Salvar da fogueira os ciscos
E acompanhar, contrito,
A escuridão ruir.
Alimentar o dia para que não desmaie
Antes da hora.

De tarde...
Um oroboros.

2 comentários:

Neuzza Pinhero disse...

alimentar o dia para que não desmaie antes da hora...
eu trouxe de Minas uns bombocados
de luz, uma porção de água lacustre
e uma drusa lilás como auxílio ao seu dia, Agnaldo
eu te desejo dias doídos de tanta poesia.

AGNALDO NO ESPELHO disse...

Neuzza querida,

Aceito-os de bom coração. Os bombocados, a água, tudo, enfim. Especialmente os dias doídos de poesia, para sentir a vida arder, em todos os sentidos.

Super beijo, bom tê-la de volta.